Consultoria estratégica: Como pagar por este tipo de serviço?


De tempo em tempo venho escrevendo sobre os serviços de consultoria e assessoria, pois observo que ainda existem muitas dúvidas sobre este mundo. Em outros países as empresas estão mais familiarizadas com este tipo de serviço.Para exemplificar o que acabo de afirmar comento sempre que em um universo de mais de uma centena de artigos publicados por mim, o mais lido trata justamente das diferenças entre consultoria, assessoria e mentoring empresarial.

Quem mantém um blog com objetivos profissionais, tem o dever de monitorar quais os artigos que despertam mais interesse. No caso acima, a publicação ocorreu no final de 2013 e o texto segue sendo lido, pois as pessoas realizam consultas sobre o assunto no Google.

Uma outra dúvida recorrente das empresas, principalmente as de porte médio, é justamente como remunerar este tipo de trabalho e o texto de hoje abordará esta questão.
Quando escrevo tento sempre simplificar a mensagem e utilizar palavras que utilizo normalmente. Quando se trata de definir o que seria uma consultoria estratégica ou o perfil do profissional apto a prestar este serviço, gosto de descrever como sendo o cara que sabe quais parafusos apertar ou quais engrenagens utilizar para que um objetivo seja alcançado. Na minha visão, o serviço de consultoria estratégica somente deveria ser prestado por profissionais de experiência comprovada.

A afinidade entre as partes também é importante para o sucesso de qualquer projeto. Se você já identificou alguém com este perfil e acredita que ele possa lhe apoiar a atingir determinados resultados, chega o momento de definir qual será a melhor forma de remunerá-lo.

Para escrever sobre o tema sem me limitar à experiências vividas, fiz uma pesquisa na internet e encontrei um texto bastante interessante, mas voltado para aqueles que pretendem prestar o serviço. O meu o objetivo é esclarecer possíveis dúvidas de quem contrata este tipo de serviço.

Então vamos lá:

Honorários por hora / homem – Esta é a forma mais usual. O ideal é que a empresa contratante defina uma pessoa da empresa que assuma o compromisso de acompanhar o “controle de horas” fornecido pelo consultor. Alguns consultores oferecem um valor para o serviço presencial (na sede da empresa ou em local indicado por ela) e outro para serviços prestados à distância. Nos projetos que me envolvo, busco negociar e definir em contrato uma quantidade mínima de horas mensais pois desta forma passo a ter alguma previsibilidade, tanto pelo lado da previsão de receita, como pelo comprometimento de tempo. O ideal é que o contratante pelo seu lado, defina um limite máximo de horas mensais, evitando assim aqueles casos onde por descontrole, em um determinado momento os honorários ultrapassem o orçado.

Honorários com valor fixo – Esta forma de remuneração também é bastante usual em projetos de consultoria estratégica, pois em muitos casos o consultor que disponibiliza todo seu expertise em um determinado assunto já tem um valor pré-determinado para entregar este conhecimento. Para o contratante que não quer ser surpreendido por um desembolso maior do que o orçado, também pode ser uma boa alternativa. No meu caso gosto de deixar claro qual a quantidade de horas que estou considerando para compor o valor cotado, assim como definir um prazo para revisão de valores.

Pagamento por produto –  Já trabalhei algumas vezes desta forma, principalmente em trabalhos de pesquisa de mercado. O valor do serviço é definido previamente, independente da quantidade de horas trabalhadas. O mais importante nestes casos é desenhar bem um briefing claro das necessidades do contratante, pois a partir dele será possível definir o escopo do projeto.

Participação nos resultados Alguns consultores não tem interesse em trabalhar desta forma. Na prática ela prevê o pagamento de um percentual específico dos resultados obtidos. Esta prática é bastante comum entre empresas de tecnologia que contratam consultores especialistas na condução de projeto que buscam recursos em bancos de fomento.

Permuta É bastante comum receber este tipo de proposta. Sob o ponto de vista do contratante pode ser bastante atrativo. Entretanto, esta condição só se viabiliza na medida que o consultor selecionado tenha interesse e condições de trabalhar desta forma, considerando a sua realidade e planejamento financeiro.

Participação acionária Embora pouco usual no Brasil, esta forma de remuneração que prevê a entrega de ações da contratante para o prestador do serviço, é uma maneira de trazer o consultor para o time e compromete-lo com o futuro de médio e longo prazo do projeto.

O artigo mencionado anteriormente também cita o sistema de remuneração por reserva antecipada, mas na minha visão ele se enquadraria no sistema de valor fixo, com agendamento prévio dos dias em que este serviço seria prestado.

Era isto por hoje. Caso ainda tenha ficado alguma dúvida sobre o assunto, deixe um comentário.

Um abraço e vamos em frente (!!)

Fonte:  Consultoria – O caminho das pedras

consultoria gratuita

Carlos Altafini
caltafini@gmail.com

Quando criança sempre gostei de escutar os mais velhos e aprender com eles. O tempo passou e hoje sou um veterano que tem prazer em compartilhar experiências e algum conhecimento acumulado durante a jornada. Nada mais natural portanto que após passar por um profundo processo de transformação digital, tenha me tornado um mentor em estratégias digitais. Este sou eu !!

1Comment
  • Luciano
    Postado em 16:13h, 30 Maio

    Adorei a postagem, parabéns!

Faça seu comentário

CommentLuv badge